Terça-feira, 5 de Abril de 2011
Poema

Tempo

 

Tempo — definição da angústia.
Pudesse ao menos eu agrilhoar-te
Ao coração pulsátil dum poema!
Era o devir eterno em harmonia.
Mas foges das vogais, como a frescura
Da tinta com que escrevo.
Fica apenas a tua negra sombra:
— O passado,
Amargura maior, fotografada.

Tempo...
E não haver nada,
Ninguém,
Uma alma penada
Que estrangule a ampulheta duma vez!

Que realize o crime e a perfeição
De cortar aquele fio movediço
De areia
Que nenhum tecelão
É capaz de tecer na sua teia!

 

Miguel Torga



publicado por Leituras e Letras às 11:06
link do post | comentar | favorito

Bem vindos!
Somos 5 raparigas do 12ºE do curso de Humanidades. Pretendemos com este blog divulgar o nosso projecto bem como mostrar-vos o desenvolvimento deste. Esperamos atingir o nosso objectivo: divulgar a leitura.
Desejamo-vos boas leituras!
Translator
Dutch Spain English French
Contacto
leituraseletras.12e@sapo.pt
Chat
Regras: ter cuidado com a linguagem utilizada; respeitar os outros; NÃO fazer PUBlicidade.
Se queres sugerir ou criticar algo fá-lo aqui.
pesquisar
 
arquivos
Visitas
visitas
free counters

Usuários online usuários online